Por que dar conselhos não adianta?

Talvez isso pareça um pouco absurdo pra você. É verdade que nos artigos desse blog, geralmente são propostas ideias, truques ou dicas para quem quiser considerá-las, como neste artigo, para obter resiliência.

 

E não é que bons conselhos não ajudem em momentos de dificuldade ou dúvida. O problema dos conselhos é que eles não servem a todos igualmente e que muitas vezes o fato de aplicá-los não tem um resultado positivo.

 

Mas por que isso acontece?

 

ATENÇÃO para essa observação: o exemplo que vem a seguir, NÃO utiliza a palavra “crença” no sentido comum de “fé” ou “religiosidade”, mas sim no sentido de pensamentos resultantes de traumas ou influências vividas que pode estabelecer limitações para suas ações, moldando seu comportamento. Ex: muitas pessoas são criadas com a “crença” de submissão total à autoridades (os pais), quando essas pessoas crescem podem se tornar subservientes, com baixa autoestima e sem confiança em si mesmas para negociar uma promoção com o seu chefe (a autoridade). O senso de autoridade é um importante ensinamento para a boa convivência social, mas quando exagerado pode gerar problemas.

 

Vamos ao exemplo:

 

Dicas para deixar de ser uma pessoa pontual

 

Aplique dicas vs. Crenças enraizadas

Dicas (conselhos, truques etc.) pra ser pontual: levante-se assim que o alarme tocar, seja forçado a chegar 10 minutos antes, planeje e calcule quanto tempo levará a viagem, organize-se antes de sair de casa para dar tempo de fazer tudo etc.

 

O problema: você não vai seguir essas dicas. Mesmo que você concorde com tudo e esteja ansioso para colocar esses truques em prática.

 

O problema não é o truque. O problema é que você odeia fazer tudo o que "deveria" fazer para ser pontual. Você odeia se organizar pela manhã, ao ser informado de que deverá estar em um local em pouco tempo e, portanto, você deve executar outras tarefas mais rapidamente, não gosta de calcular os horários e planejar com antecedência.

 

Veja como as dicas soam: elas soam como pedidos para algumas pessoas. Você deveria se “forçar”, “parar” etc.. Existem pessoas para as quais esses verbos são perfeitamente aceitáveis. Mas eles não são para todos.

 

É por isso que falamos sobre crenças. Colocar os truques em prática pode ser fácil, desde que eles não sejam contrários às suas crenças. Descobrir a crença por trás do comportamento que não o satisfaz é a chave. A pontualidade é apenas uma consequência dessa crença arraigada.

 

É claro que posso mudar meu comportamento, mas me custará iniciá-lo se entrar em conflito com meus pensamentos habituais, com o que considero verdadeiro, ou seja, com minhas crenças. Crenças não são verdadeiras nem falsas; são nossos julgamentos e opiniões, são a cultura ou sociedade em que vivemos, e os temos tão internalizados que os consideramos verdades absolutas, muitas vezes sem estar cientes disso.

 

As crenças fazem parte do nosso inconsciente e são o que direciona nossa vida. Se eles nos ajudarem a viver melhor, sejam bem-vindos, mas se nos limitarem e nos impedirem de ser felizes ou realizados, pode ser bom tomar consciência deles e trocá-los por outros que sejam mais úteis para o nosso propósito.

 

Pontualidade vs. Liberdade

O problema com muitas pessoas não pontuais é que elas não gostam de fazer coisas como os outros pensam que deveriam ser feitas. Eles pensam que se forem forçados a ser pontuais, a organizar seu tempo, a calcular distâncias e a planejar o dia, eles perderão sua liberdade.

 

As raízes desse pensamento podem estar na infância, quando os pais obrigam os filhos a fazer a lição de casa quase como militar ou em outros aspectos.

 

Para que sou pontual?

E é verdade que o mundo veloz em que vivemos exige continuamente que sejamos rápidos, produtivos, realizemos inúmeras tarefas ao longo do dia, sejam perfeccionistas, mas ao mesmo tempo ágeis.

 

Alguns se adaptam perfeitamente a esse ritmo. Outros não.

 

A questão principal seria: Eu realmente quero ser pontual? O que a pontualidade significa para mim? O que vou perder sendo pontual? É totalmente verdade que deixarei de ser livre se for pontual?

 

Aqui, por exemplo, seria altamente recomendável realizar um exercício de mudança de crença, porque felizmente elas podem ser alterados, não são estáticas nem as temos por toda a vida.

 

Se uma crença nos impede de avançar, alcançar nossos propósitos ou sermos felizes, é hora de mudá-la para uma mais eficaz. Afinal, nenhuma crença é verdadeira ou falsa, mas é útil ou inútil.

 

Como muitas outras pessoas, você pode ter problemas para se exercitar constantemente. Foge do exercício com muita facilidade e sempre encontra desculpas para não fazê-lo: chuva, mau humor, cansaço, trabalho, etc.

 

Você pode descobrir algo diante disso: seu problema com o exercício pode ser que você o vê como uma obrigação, não como algo que gosta de fazer. Se você associar esporte à obrigação, vai realmente querer fazê-lo? No entanto, se você encontrar prazer no esporte, não precisará aplicar nenhum truque ou conselho; correrá para fazê-lo.

 

Conclusões

Se você deseja mudar seu comportamento, como ser mais pontual, organizar-se melhor ou até amar mais a si mesmo, não basta aplicar uma série de truques. Os truques que você descobrirá por si mesmo, é a coisa mais simples do mundo. A verdadeira dificuldade está em entender o que está por trás do seu comportamento, o que deixa você mais lento, que crenças fazem você agir assim.

 

Mudar uma crença não é algo rápido, é algo que leva tempo e dedicação. Mas não é impossível.

cta-logo

CONTROLE A ANSIEDADE E A DEPRESSÃO,

SEM MEDICAMENTOS!

Pesquisa

Search